quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Mugabe - não!


Estou indignado com a insistência de Sócrates em querer Mugabe na cimeira de África. Este homem representa o pior da governação africana: corrupção, violação dos direitos humanos e incompetência. Não entendo, não concordo e fico decepcionado com a postura de Luís Amado.

4 comentários:

blueminerva disse...

Depois do agachamento que o foi, na recepção a Putin, já nada me espanta.
Um abraço

Paulo Barata disse...

Chama-se Diplomacia. E nisso os portugueses são exímios. Há duas facetas na actuação de Mugabe. Uma interna, que tem a ver com as consequências que as suas políticas têm para os seus cidadãos. E aí, por mais que custe, dificelmente poderá o Reino Unido querer ditar regras. E outra faceta que tem a ver com a defesa dos interesses britânicoa no País e na Região. Nesta segunda, que é que interessa a este nível, o RU só poderá fazer valer os seus argumentos e exercer pressão sobre Mugabe se aproveitar todas as oportunidades de, perante a Comunidade Internacional, colocar o problema fazendo com que todos (ou a maioria) apoiem as sua reividicações. Ora, saindo da mesa das negociações, e isolando-se da Comunidade Internacional o RU não fará valer os seus pontos de vista.

A Portugal, como anfitrião, e a Sócrates como Diplomata não lhe cabe o papel de decidir que é "bom" e quem é "mau", não deve fazer juízos de valor. Deve, e é isso que está a fazer, promover uma reunião com todos para seja possível dirimir argumentos e ultrapassar óbstaculos.

A História, e a portuguesa em particular, demonstra que este é o caminho correcto. Por exemplo na quaestão de Timor-Leste nenhum Primeiro-Ministro se negou ou tentou evitar o encontro com o Presidente da Indonésia. Pelo contrário, aproveitavam essas oportunidades para colocar a Indonésia perante as suas responsabilidades no genocídio timorense, e assim exercer pressão sobre eles e sobre a CI. O resultado foi a libertação de TL.

Portanto, meu caro, na minha opinião Sócrates está a fazer o que deve ser feito, é o que os ingleses chama "real politiks".

amsf disse...

Subscrevo as palavras do Paulo Barata e acrecento que o Reino Unido so tem esta posição porque o sr. Roberto Mugabe não tem feito a vida fácil aos latifundiários brancos nos últimos anos. Se o RM não colocasse em causa os interesses de sua magestade o Zimbawe na faria parte da agenda internacional como muitos outros países discretos que por ai abundam!

Carlos J. Pereira disse...

Compreendo a opinião do Paulo e do Senhor amsf mas a minha percepção é outra e, permitam-me que coloque esta questão num plano diferente: a diplomacia multilateral, que é o caso, envolve várias partes e deve ter objectivos muito concretos. Neste caso, a ideia é África e não o Zimbawe!Mais, neste momento 5 países europeus já colocaram restrições à presença de Mugabe e não apenas o RU, pelo que parece uma má opção manter o convite a Mugabe, pelo que Sócrates corre o risco de uma cimeira esvaziada e, portanto, inconsequente e inócua, embora com a presença de Mugabe...Noutro plano a diplomacia neste quadro multilateral é muito mais exigente do que numa perspectiva bilateral pelo que ignorar opiniões de 5 países europeus pode ser fatal...Mas enfim nesta matéria sou um verdadeiro ignorante. Além disso não tolero pessoas do calibre de Mugabe ( sei que pode parecer primário mas...)