sábado, 10 de novembro de 2007

A paródia


É incrível o debate entre Carlos Pereira (do marítimo) e Rui Alves. Ontem este acabou a dizer que o homem do marítimo acabará como Vale e Azevedo. Porquê? O que sabe Rui Alves? A gravidade destas afirmações implica um envolvimento objectivo do ministério público. Ou será que estou errado? Aliás estou à espera que Carlos Pereira diga que pretende processar Rui Alves, caso contrário isto ( a Madeira) é mesmo a paródia perversa onde há muito sinto estar a viver...

2 comentários:

amsf disse...

Foi com afirmações deste género que o Cunha e Silva fez com que fosse feito o inquérito à CMF. O "sistema" está a esboroar-se mais por culpa da guerra cívil dentro do PSD/M do que por iniciativas da oposição. É o que acontece nos sistemas "totalitários" e tentaculares!

Utroulha disse...

Falar destes dois cavalheiros é antes de mais um exercício de penitenciação à inteligência de cada madeirense.
Estas duas criaturas são o produto da política de subsídios governamentais aos clubes desportivos que representam.
Dar-lhes voz é um disparate. Ouvi-los é outro.
Estes clubes só existem porque temos um governo que ainda acredita, que dando-lhes dinheiro, tira a juventude madeirense de caminhos desviantes e faz a Madeira ser divulgada na Via Láctea. (talvez para atraír extraterrestres de mau-gosto a alguma feira do porto do Funchal). Tenho a certeza que a juventude madeirense tem aprendido muito com as declarações destes cavalheiros. São um modelo sim, mas pela negativa. E nem falo como ex-autarcas...Etc.
À conta disto temos um "mamarracho" descomunal que brota dos eucaliptos da Choupana, outro "mamarracho" na Ribeira de Santo António e se mais dinheiro houvesse, outra "coisa" nasceria no vale da Praia Formosa com a suspensão do PDM...
Tirem-lhes os subsídios e vejam se alguém ainda se lembrará desta má-memória do presente.