sábado, 24 de novembro de 2007

Tomem lá III

LFM já disse por várias vezes que não esconde a sua filiação partidária. Já disse que quando fala não esconde a ligação ao PSD. Portanto, até pode parecer que o comentário que farei é despropositado. Mas, do meu ponto de vista não é. Porquê? Porque ao mesmo tempo que LFM afirma esta ligação partidária procura, ao longo dos seus textos, demonstrar uma certa independência, frágil do meu ponto de vista e mal conseguida. É um bocadinho na linha de que a sua seriedade intelectual, que não duvido, está acima da sua ligação partidária. Parece exagerado (apesar de estar no seu direito actuar como pensa ser melhor para defender os seus interesses!). Ora, até pode ser que LFM pense dessa forma. Pode ser que, em alguns casos, até actue dessa forma. Mas, infelizmente, noutros casos isso não ocorre.
Vejamos, LFM conhece a Assembleia Legislativa Regional melhor que ninguém. Muito melhor que eu. Sabe perfeitamente que as intervenções ocorridas no PAOD quase nunca são alvo de pedidos de esclarecimento. Aliás, o PSD nunca, ou quase nunca, faz perguntas de modo a não potenciar o debate, sobretudo quando joga contra ele. Lamento que se tenha servido deste argumento para justificar um eventual isolamento da minha parte. É mau e denunciador das suas intenções. Mas, sobre isto, permita-me questionar: não estará a fazer juízos de valor sem fundamento? não estará a procurar contribuir para retirar credibilidade? Como se chama isto? "justiceiro"?
Além disso, procura manter a afirmação, típica no PSD, de que o que me motiva é uma questão pessoal. É pena que LFM, a bem da seriedade, não tenha entendido o post em que afirmei, preto no branco, que estou muito à vontade nesta matéria: já disse olhos nos olhos de Albuquerque a minha opinião sobre a sua gestão. Poucos até hoje o fizeram. Não procuro subterfúgios. Tenho a consciência tranquila e estou certo que a vereação do PSD é prejudicial à autarquia do Funchal. Sei do que falo.
Mais grave ainda é que LFM, eventualmente para chamar a si simpatias da área da justiça, resolve também dizer que tenho criticado o ministério público. Ora, admito não ter sido tão claro como gostava, mas já afirmei, por várias vezes que em qualquer profissão existe gente boa e competente e o seu contrário. Recuso-me a personalizar esta questão, mas não tenho dúvidas que muitos concordam comigo que precisamos de mais e melhor justiça. E, naturalmente, a culpa não é apenas dos actores. É preciso meios, estratégia e prioridades e isso extravasa bastante quem é "operacional"...Já o disse por várias vezes... Não voltarei mais a esta questão...

3 comentários:

Anónimo disse...

Caro Dr.,

Porque se desgasta, consome o seu tempo, recursos e paciência no combate a "esta gente"? Por acaso tem vocação para mártir? Tenho mais ou menos a sua idade, pelo que, também eu, tenho assistido, há quase 30 anos, a toda esta miséria comportamental de uma boa parte desta nossa sociedade madeirense. E estou cansado. Cansado porque estou COMPLETAMENTE SATURADO desta forma de fazer política de AJJ e das suas marionetes (lembra-se do tenebroso personagem "Licio Gelli" da Loja Maçónica P2, mais conhecido pelo Sr. das Marionetes, que tanto "destroço" fez em termos mundiais?... temos cá uma pequena amostra desse método...). E frustrado. Frustrado por sentir ser inglória qualquer tentativa de trazer alguma dignidade a este povo atávico e masoquista. Infelizmente, há muito que concluí - e isto pode chocar, se mal interpretado - que só depois de AJJ "partir" (a reforma não será suficiente!) é que teremos alguma hipótese de crescermos enquanto povo. A partir desse dia será uma tarefa para, no mínimo, umas 4 ou 5 gerações. O risco porém é que, da perda, o rebanho de invertebrados e gente de má índole procure consagrar um novo líder que mantenha o "status-quo"... Mas tenho esperança que assim não vá suceder, pois os tempos e as vontades também serão outras. Quanto a LFM, faça um favor a si próprio: ignore-o ou corre o sério risco de deixar-se enrolar por aquele arrozado discurso de quem, sabendo-se preso e anichado, sente necessidade de propalar um (vã) discurso de independência e liberdade. No fundo da sua alma reside alguma dignidade - é preciso dizer-se - porém sobre a mesma deixou assentar alguns outros valores que a ofuscam. Se dúvidas houvesse, recordemos o post em que se diz "indefectível" de AJJ!!! Está tudo dito. Devemos o ser apenas em relação aos nossos pais ou aos nossos filhos, e a mais ninguém! Poupe-se. Cumprimentos.
Vico D´Aubignac (pseudónimo)
Nr. Que fique bem claro que não desejo que ninguém "parta" antes do seu próprio tempo, mas apenas constatei aquilo que me parece uma evidência.

Alexandro Pestana disse...

É uma pena que não haja um Carlos Pereira na vereação de cada câmara na Madeira... De certeza que as coisas não estariam como estão agora... Vão tentar "fazer-lhe a folha" de alguma maneira a nível político ou a outros níveis, por isso tem de ter muito cuidado... Você muito melhor do que eu sabe que está a abanar uma colmeia de abelhas assasinas e quando se abana muito, elas saem todas juntas para picar. Eu queria ver as contas da CMF em pratos limpos e auditorias em todas as câmaras feitas por uma entidade credível e externa mas não passa dum sonho meu... Como dizia o Martin Luther King... "I have a dream..."

Anónimo disse...

O importante é que Carlos Pereira não se dixe usar por outros, que depois avançarão à sua frente.