quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Pelo amor de Deus...


A RTP Madeira abriu o telejornal da seguinte forma:
Nove longos minutos de Makakula, Carlos Pereira (o Presidente do Marítimo) e António Henriques. A razão foi um golo marcado pelo jogador do marítimo no jogo de Portugal com o Cazaquistão. Foi "simpático" ouvir Carlos Pereira a afirmar que o nome da Madeira seria colocado no topo. Pelo amor de Deus haja paciência. Permitam-me: está tudo doido?!
Depois destes suculentos 9 minutos ficamos a saber que a Madeira tem mais de 50 000 pessoas a viver abaixo do limiar de pobreza. Há coisas fantásticas não há?

5 comentários:

gáudio disse...

Esta é sem dúvida a "televisão" que merecemos...Muito ternurento sem dúvida...Quase chorei de tanta emoção.
Foi bonito de se ver aqueles barões do sítio bem instalados numa hora em que a maior parte dos madeirenses trabalhava...
Bonito apontamento televisivo, pena é que a RTP-Madeira não transmita para todo o mundo em sinal aberto!! É um verdadeiro "case-study"...Numa tradução "extensiva", um CASO PERDIDO.

amsf disse...

O menino maravilha madeirense de onze anos e o negro madeirense-congolês merecem!
LOL!

Anónimo disse...

Concordo em absoluto com o que foi escrito pelo bloguer...

No dia da erradicação da pobreza e quando até existia uma peça com números - 22% da população da Madeira é pobre, ao que conresponde 55 mil madeirenses - TV deu muito timidamente a peça a meio e sem grande alarido.
É uma vergonha.

Anónimo disse...

À RTP-M já voltaram os comentadores Lilia Bernardes e Luis Filipe Malheiro. E o jornaliuta Tolentino Nóbrega foi saneado?

EP disse...

Há mesmo coisas muito fantásticas. Nessa mesma terra em que quase 1/4 da população vive pauperrimamente, há uma nata de "tubarões" que cada vez mais enriquecem.
Porque falamos em desporto, estamos a poucas horas do início de mais um dos muitos rallies da região. Desta vez é o Rally do Faial, (terra de grandes "vencedores"). Alguém sabe dos montantes que envolve esse desporto de elite? Que relações se estabelecem entre determinados patrocinadores e equipas de "autarcas" e "políticos"? Não haverão aqui determinadas e demasiadas coincidências? Numa terra onde há tanta pobreza, são demasiadas as assimetrias que se intensificam entre pobres e ricos. Num ciclo económico desfavorável até "parece" que esta explosão do desporto motorizado regional serve para fugir ao fisco...E talvez constituir um "meio de pagamento camuflado". Atenção! Parece...