segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Outra vez a RTP Madeira

Ontem a RTP Madeira, no telejornal, organizou um debate onde colocou lado a lado o Bruno Pereira e Raimundo Quintal. Nem vou comentar o debate, sobretudo o reconhecimento de Bruno Pereira das asneiras da autarquia no campo da mobilidade e o que isso significa em termos de posicionamento na vereação liderada pelo homem responsável por essas asneiras-Miguel Albuquerque. Bruno Pereira fala como se não fosse Vice Presidente do principal responsável pelas enormidades dos últimos anos...
Mas o que é, mais uma vez, relevante é que a RTP Madeira insiste em fazer debates em que a oposição nunca aparece e opta por indivíduos que poderão vir a ser candidatos pelo PSD...

2 comentários:

Alexandro Pestana disse...

É mais do mesmo... Não metem a oposição junto porque podem pensar que depois pode sobrar pra eles... Deviam fazer um pedido por escrito à RTP-M para isso acontecer e se os autarcas do PSD recurarem aparecer, a mesma notícia deve ser publicada em toda a imprensa e tv, radios para que os Madeirenses saibam que eles fogem ao debate público.

Alberto Torres disse...

O tão famoso Estudo de Mobilidade para a cidade do Funchal teve um único propósito: encher os bolsos a mais umas empresas e a uns cavalheiros da praça "à pala" do erário público e da comparticipação comunitária. Basta indagar por que mãos andou esse estudo que só agora (no ano dos 500 anos da Cidade), é que "convenientemente" saíu à rua com toda essa mediatização.
É claro que o propósito desse estudo devia ser respeitado, mas o planeamento e vontades efecticas não sairão. A prova disso é que o Funchal cada vez mais está "embarrilhado".
Como marca indelével registo o comentário de Raimundo Quintal destinado a todos e ao seu interlocutor Bruno Pereira: « o exemplo tem de vir de cima» e comentou o facto de Bruno Pereira e os restantes vereadores da Câmara do Funchal terem «viatura oficial e motorista». Claro que Bruno Pereira esgalhou aquele sorriso amarelo tão característico...
Demagogias à parte, é caso para dizer uma vez mais: " faz o que eu digo e não faças o que eu faço". Quanto ao tal "estudo", mais um instrumento de campanha lucrativo para muitos.