quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

ABSURDO

O que se está a passar neste parlamento é um absurdo. O debate sobre o documento mais importante da governação, que devia ser alvo de um debate sério, participado, entusiasmado, não passa de uma acção de branqueamento desta democracia à maneira do PSD. Este partido aprovou um regimento para esta discussão de orçamento que mais não é que um verdadeiro colete de forças à oposição. Além disso, para agravar tudo, nesta anómala situação, o Governo e os seus principais responsáveis demonstram um verdadeiro desprezo pela casa da democracia. Muitos deles simplesmente não aparecem, assim, demonstram o seu profundo desrespeito pelo povo da Madeira. Mas os que vêem apresentam discursos repetidos, sem convicção, argumentos gastos, propostas ocas e uma arrogância desmedida e inadequada às boas maneiras da convivência democrática entre parlamento e governo, do qual este depende.Já o principal responsável, AJJ, tudo fez para baixar o nível deste debate e brindou o parlamento com a sua ausência. É óbvio que a sua presença não elevaria o nível mas permitiria, caso fosse possível (coisa que o regimento impede!) confrontá-lo com as suas opções e acabar, de uma vez por todas, co as balofas e incosistentes ideias de um governo medíocre e amorfo. O seu esforço (permanente e continuado de 30 anos) tem um reflexo evidente na qualidade da nossa democracia e resultará na construção de uma sociedade amputada!
Devo dizer que esta situação é inaceitável, não aceito, com naturalidade, a total passividade da sociedade para o silêncio obrigatório imposto por um partido político. Em boa verdade, nem é relevante discutir aqui argumentos sobre o mau orçamento apresentado por este governo, em boa verdade um debate poderia desmentir esta constatação, em boa verdade um debate poderia melhorar o conhecimento da proposta e assim, se fosse caso disso, colocar em causa os argumentos da oposição, em boa verdade um debate sério participado e com tempos adequados e não desproporcionais às exigências de uma discussão mínima, contribuiria para aprofundar a maturidade da democracia (o que na Madeira já seria muito, tendo presente o estado de rombo democrático em que nos encontramos).
Quero, por isso, deixar claro, que, da minha parte, esta situação é a prova mais clara da anormalidade democrática do parlamento. Quero esclarecer que, para mim, esta constatação é bastante mais grave para a construção de uma democracia saudável do que 100 episódios do Senhor Deputado Manuel Coelho ou outros semelhantes. Esta situação atinge, em profundidade, o cerne da democracia e coloca-a em cuidados muito especiais. Esta situação impede que os madeirenses tenham verdadeira noção do estado de coisas em que nos encontramos. Esta situação favorece quem não trabalha, quem não quer melhorar a vida dos madeirenses, quem não quer discussão séria e com argumentos sólidos consistentes e não palavreado político e afronta pessoal (como é hábito no PSD).

2 comentários:

José Luís disse...

O que a oposição deve fazer quando o Alberto João fôr (se fôr) à assembleia fazer o discurso de encerramento, se porem da porta para fora e deixar o GAJO a falar sózinho .

Anónimo disse...

Se a ALM funciona ao gosto do freguês ou seja, ao gosto da maioria que não perde uma oportunidade para humilhar a oposição, porque razão a oposição colabora nessa farsa? Não seria melhor fazerem greve e deixarem o PSD/M a falar sozinho?